A negação da pandemia: pessoas que ainda não aceitaram a realidade.

A negação da pandemia: pessoas que ainda não aceitaram a realidade.

No meio da crise mundial causada pelo coronavírus, há um fenômeno no mínimo muito curioso. Estamos falando da negação da pandemia, de algumas pessoas que seguem sem ver e sem aceitar a gravidade dos fatos. É certo que esse tipo de comportamento sempre esteve presente no que diz respeito a crises e problemas, mas em contextos de emergência como o que estamos enfrentando, é uma surpresa ainda maior.

Há algumas semanas, Boris Johnson, o primeiro ministro do Reino Unido, advogava a favor da estratégia da imunidade de rebanho. Ou seja, permitir a livre circulação da população para que boa parte dela contraia a doença e desenvolva uma imunidade natural.

Mais tarde, um estudo demonstrou que seguir essa estratégia causaria a morte de meio milhão de britânicos. O próprio Boris Johnson, ficou doente, enfrentando o coronavírus pessoalmente, e agora o país está passando por uma quarentena obrigatória.

Podemos falar de outros exemplos notáveis e igualmente chamativos. Andrés Manuel López Obrador, presidente do México, incentivou as pessoas a saírem para comer, a seguirem suas vidas normalmente. A irresponsabilidade dessas pessoas pode ser devastadora a curto e a longo prazo.

O presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, é outro exemplo. Seus discursos trazem um série de informações absurdas sobre a crise. Diversas vezes, ele chamou o coronavírus de ‘gripezinha’, disse ser contra a quarentena por seus efeitos econômicos, que pessoas saudáveis não ficam doentes e que a mídia está exagerando. A população fez alguns protestos – de dentro de casa – contra o seu posicionamento.

Esperamos que esses líderes reconheçam a gravidade da situação em algum momento. Alguns, como o político do Reino Unido, já voltaram atrás e impuseram medidas restritivas. No entanto, o avanço da transmissão não espera, e o impacto na saúde será inevitável.

A psicologia da negação da pandemia: por quê?

A negação da pandemia não se dá exclusivamente na esfera política. O mais grave, talvez, seja ver como muitas pessoas furam o confinamento e desafiam as medidas impostas.

O número de detidos por não respeitar as normas cresce a cada dia, e descobrimos comportamentos que nos deixam estupefatos e sem reação.

Poderíamos dizer que são apenas pessoas irresponsáveis. No entanto, a partir do ponto de vista psicológico, esse tipo de atitude desperta um grande interesse por vários motivos.

Enquanto boa parte da população sente medo e angústia diante da presença de um vírus desconhecido, outros não dão importância alguma à situação. Além disso, as imagens divulgadas a cada dia mostrando o colapso de hospitais, o número de infectados e de mortes crescendo a cada hora, deixam alguns desesperados e outros indiferentes.

O que explica esse fenômeno de negação da pandemia? Estes seriam alguns fatores:

Erro de atribuição e a teoria da mente.

A teoria da mente diz que o ser humano é capaz de atribuir pensamentos e intenções a outras pessoas. É compreender e, portanto, predizer o que os outros pensam, como vão reagir em determinadas circunstâncias. Dentro desse panorama, há uma particularidade que por vezes acontece: o erro de atribuição.

Esse erro acontece quando pensamos que os outros estão agindo de modo equivocado ou exagerado. Os especialistas dizem que, algumas vezes, nossos cérebros falham na hora de aplicar o instinto mais importante do ser humano, o de sobrevivência. Para entender melhor, vamos ver um exemplo a seguir.

É como se víssemos 100 gazelas correndo e pensássemos que todas elas são exageradas, que a única coisa que conseguirão fazendo isso é ficar cansadas. No entanto, não somos capazes de deduzir a realidade: esses animais estão correndo porque há um grande predador que as está seguindo.

Bem-estar individual em detrimento de uma proteção do grupo e preservação da economia em detrimento da pessoa.

Outro efeito que explica a negação da pandemia é o sentido de preservação. No entanto, aqui podemos diferenciar duas tipologias, a do indivíduo e a do Estado.

Por um lado, há pessoas que priorizam o seu bem-estar acima de tudo. Não estão dispostas a mudar seu estilo de vida por um bem maior.

São muitas as pessoas que assumem o coronavírus como uma simples gripe ou acreditam que não sofrerão nenhum efeito adverso caso sejam infectadas. Minimizam e eliminam a relevância do perigo de infectar outras pessoas, de sofrer uma doença que se agrave ou de serem responsáveis pela perda de vidas humanas.

Nessa categoria estão as pessoas que não estão dispostas a parar a economia. Essas pessoas dão por certo o impacto que a quarentena terá em um país, tratando o impacto econômico como pior do que o impacto humano.

O efeito da irrealidade como explicação para negação da pandemia.

A negação da pandemia também pode ser explicada por uma dimensão curiosa mas muito presente no ser humano: estamos falando do efeito da irrealidade.

Há um fato inegável: todo dia, quando nos levantamos, vemos o sol saindo, temos conexão com a Internet, alimentos na geladeira e as pessoas que amamos em casa. Como acreditar que há um vírus altamente infeccioso solto pelas ruas matando tantas pessoas?

A palavra pandemia é, para muitos, uma ideia de outra época. E mais, muita gente acredita que um mundo tão avançado como o nosso encontrará uma resposta rápida para o problema. Assumem, de forma ingênua, que tudo será resolvido em uma questão de dias.

A esse raciocínio repleto de ilusão pode-se ainda adicionar o fato que boa parte da população está acostumada a ver o mundo pelo filtro das redes sociais. Dessa forma, tudo está longe, um pouco intocável, não é possível sentir nenhum cheiro, sentir nada, é tudo inócuo como ver um filme no Netflix.

As perdas e a doença parecem estar muito longe de casa, longe de tudo aquilo que é cotidiano. O efeito de irrealidade afeta muitas pessoas, que se tornam incapazes de assumir a gravidade da situação e, o pior de tudo, de agir de modo responsável. Tenhamos claro que quem ainda não está agindo já está atrasado.

A negação da pandemia custa vidas e nos levará a demorar muito mais para conter a situação. Pensemos nisso e sejamos responsáveis ficando em casa.

Fonte: A mente é maravilhosa.

Imagens: Yahoo Noticias, Jovempan, Revista Subjetiva, DW Brasil

Charges: Brum

Contato: https://psicologopauloalencar.com.br/contato/