Psicólogo Paulo Alencar

O natal e a psicologia das emoções.

Com a chegada do fim do ano, casas, lojas e ruas recebem uma nova decoração e o clima de natal se forma. Em dezembro começamos a planejar os detalhes das festas de final de ano e com elas, buscamos formas de expressar emoções por nossos parentes e amigos. Este é um momento de reencontro, e mais que dar e receber, é um momento de compartilhar.

Embora muitas pessoas pensem que esta é uma época feliz, familiar e interessante, algumas pessoas vivem o final de ano de maneiras diferentes, cheias de nostalgia, tristeza, depressão, estresse e até dor.

Essas datas podem estar muito além de como percebemos e podem ser a época do ano em que experimentamos as mais diferentes emoções, pois essas datas estão diretamente relacionadas à nossa experiência. A seguir, vamos nos aprofundar na psicologia das emoções natalinas.

O que sentimos em relação ao Natal?

O Natal não é necessariamente uma época em que todos estão felizes. Cada pessoa tem emoções e sentimentos diferentes, dependendo dos acontecimentos recentes de suas vidas e experiências de infância.

Na infância, o Natal é uma época associada a festas, presentes e magia. Há muitas atividades interessantes de Natal, com o reencontros, reuniões familiares e assim por diante.

Portanto, quando somos crianças, a prevalência de emoções positivas será maior. Mas a verdade é que tudo isso depende de como o adulto mais próximo da criança percebe e vive nessa época do ano.

A ansiedade é uma das emoções mais comuns que ocorrem na idade adulta. E ela pode ocorrer por vários motivos, tais como:

Por estes motivos, é possível vivermos esta época com dias “loucos”, onde nos sentimos pressionados e, no fim, odiamos tudo. Além disso, se recentemente perdemos alguém ou experimentamos uma separação, não é fácil entrar no espírito de Natal.

A psicologia das emoções e a época de festas.

Segundo a psicologia das emoções, é importante que, nessas épocas do ano, tenhamos o compromisso de reconhecer nossos sentimentos e refletir sobre as coisas que nos fazem sentir assim. Estamos felizes? Ou nos sentimos tristes, melancólicos e com raiva?

É muito importante e necessário compreender as nossas emoções, deixar-nos senti-las, geri-las e vivê-las de forma saudável de acordo com o que se passa à nossa volta.

A ideia de que todos devem se sentir felizes durante o Natal não deve nos colocar sob pressão. Se não estivermos felizes, devemos aceitar nossas emoções enquanto tentamos nos adaptar à situação da melhor maneira.

Aprender a flexibilizar as coisas para lidar melhor com as emoções no Natal.

Quando vivemos momentos emocionalmente difíceis, uma das melhores formas para lidar com essa época festiva é aprender a flexibilizar, ou seja, dar às coisas a importância que elas merecem. Isso significa que podemos aprender a pensar no Natal como uma época em que não precisamos estar “bem”, resolver problemas ou participar de confraternizações.

Em relação a esta ocasião, podemos descobrir que, como no resto do ano, devemos vivenciar e passar o Natal livremente, à nossa maneira e com nossas próprias emoções.

Quando o Natal nos fizer sentir negativos, preste atenção a este sinal para mudanças.

Então, podemos ver esta época do ano como uma oportunidade de tentar olhar para as coisas que nos fazem adoecer de outra forma, tentando nos compreender melhor e administrar as emoções que sentimos, dando a nós mesmos a oportunidade de nos sentirmos bem.

Se nos propusermos a fazer mudanças, podemos começar a ter objetivos diferentes, o que nos levará a nos mobilizar e a dar uma série de passos. Essa ação nos ajudará a começar a experimentar emoções mais positivas, como força de vontade e motivação.

Nosso humor não depende dos outros, apenas de nós mesmos. Somos nós que criamos as nossas emoções e desempenhamos um papel ativo sobre nelas.

Outro aspecto que nos ajuda a nos sentirmos melhor é observar e aprimorar nossa forma de pensar.

Se você associar o Natal a coisas tristes, seus pensamentos irão na mesma direção e serão afetados por pensamentos como: “Que data triste”, “Espero que esse período passe logo”, ” Eu não suporto a felicidade de outras pessoas. ”, etc.

É importante observar e usar nossos pensamentos de maneira positiva e não se deixar enganar por pensamentos que geram emoções ruins. Para isso, devemos tentar pensar o Natal em uma nova perspectiva para torná-lo mais neutro, o que facilita a vida.

A psicologia das emoções tem um papel fundamental para o nosso bem estar no natal.

As emoções durante o Natal podem ser muito diversas e, às vezes, podem ser ambíguas para a mesma pessoa, resultando em sentimentos diferentes.

Se tentarmos compreender e respeitar nossas emoções, podemos melhorar nossas habilidades emocionais no Natal. Devemos também tomar a iniciativa de adotar uma atitude diferente, ficar longe das opiniões negativas e flexibilizar nosso pensamento para não dar importância desnecessária ao que não te faz bem.

Como em qualquer outro dia, podemos desfrutar da companhia de familiares e amigos sem pressão, sem obrigação de sermos felizes e sem a necessidade de alimentarmos pensamentos negativos. Feliz Natal!

Sair da versão mobile