Psicólogo Paulo Alencar

Reflexões sobre o processo de luto.

Nos dias atuais, a morte ainda é vista como um tabu, cercada de mistérios e de crenças, e as pessoas, frequentemente, não se encontram preparadas para lidar com o luto.

O luto é uma reação psicológica que aparece em momentos de perda. É uma dor emocional que se sente frente a perda de algo ou alguém significativo em nossas vidas.

Esta reação psicológica não tem apenas elementos de caráter emocional, mas também fisiológicos e sociais.

Geralmente, quando falamos de luto, na maioria das vezes o associamos com a morte, mas esse processo também pode ser observado frente à ruptura de uma relação, a perda do emprego ou a perda de um objeto com o qual tínhamos um forte vínculo emocional.

Portanto, o processo do luto significa que, em função da perda, deveremos passar por um período de adaptação cujo objetivo é ressignificar nossa nova vida sem essa pessoa ou coisa.

Normalmente, o luto se resolve de forma natural quando entendemos que é um processo normal limitado no tempo, avançando a sua evolução em direção a superação, podendo fortalecer a nossa maturidade e crescimento pessoal.

Mas do mesmo jeito que se reconhece que é um processo natural que implica grande sofrimento para a maioria das pessoas, também sabe-se que esse processo pode se complicar, chegando a produzir transtornos se os sintomas se mantiverem no tempo e afetarem o desenvolvimento da vida diária. Nesses casos, algumas pessoas ficam paradas em alguma fase do luto, sem chegar a se desprender nem se despedir daquilo que perderam.

É difícil dizer quando realmente o luto terminou, ainda que se considere um momento chave aquele em que a pessoa é capaz de olhar para trás, isto é, para o seu passado e lembrar-se com afeto e tranquilidade, com saudade mas sem dor, da pessoa que se foi e da sua história compartilhada.

Normalmente a elaboração de todo esse processo tem uma duração que compreende de um a dois anos, dependendo de cada pessoa, da proximidade e do vínculo que existente entre a pessoa que ficou e pessoa ou coisa que partiu.

A elaboração do luto passa por diferentes fases, nas quais podem predominar emoções muito dolorosas. Estas fases não se estendem como períodos fixos e organizados, ao contrário tendem a se sobrepor, contendo uma mistura de emoções e respostas. Estas fases são compostas da seguinte forma:

O que podemos fazer para elaborar o luto?

Quando procurar ajuda?

A dor, o sofrimento e os transtornos que acompanham o luto não têm nada de “anormal”, mas existem certos sintomas que indicam que deveríamos consultar um psicólogo, ainda que a decisão final seja de cada um.

Você deve considerar seriamente a ideia de falar com um profissional sobre o seu luto se apresentar algum dos seguintes sintomas:

Ainda que qualquer um destes sintomas possa ser característico de um processo normal de luto, a sua continuidade por tempo prolongado deve ser motivo de preocupação e atenção para consultar um psicólogo.

Elaborar o luto significa se colocar em contato com o vazio deixado pela perda do que não existe mais, valorizar a sua importância e suportar o sofrimento e a frustração que comporta a sua ausência.

*Os textos do site são informativos e não substituem o atendimento realizado por profissionais.

Sair da versão mobile