A Síndrome do ninho vazio.

A Síndrome do ninho vazio.

Em diversas culturas, é natural que os filhos cresçam e deixem suas famílias para viver suas vidas, para morar sozinho, porque vão casar, cursar uma universidade ou buscar mais autonomia. É nesse momento que surge nos pais ou tutores a síndrome do ninho vazio.  Essa síndrome é caracterizada pela solidão física e mental que gera uma tristeza profunda e pode resultar em depressão após a saída dos filhos de casa.

Independentemente do gênero, essa etapa da vida faz com que os pais ou tutores se sintam profundamente abatidos, e isso pode gerar problemas físicos e emocionais. Tristeza, vazio, sensação de inutilidade, incapacidade de concentração, fadiga, preocupação excessiva, e até sentimento de culpa quando a relação entre pais e filhos é tensa, são os sintomas mais frequentes.

Entretanto, esses sintomas podem variar de pessoa para pessoa,  dependendo do estado emocional ou do grau de relacionamento que mantinha com o filho.

A saída dos filhos de casa é uma fase difícil até mesmo para alguns pais que se sentem satisfeitos por terem cumprido seu papel. Por isso, é necessário um lento processo de adaptação e mudança diante dessa nova  realidade, pois toda a rotina de convivência é modificada, o que poderá causar tensão entre os familiares envolvidos.

Idosa com síndrome do ninho vazio.

É nessa fase que pais e tutores devem lembrar que estar distante não significa a perda dos filhos, e sim uma nova forma de convivência com eles. Por isso, toda relação deve ser cultivada como forma de prevenção a síndrome do ninho vazio. nessa fase que pais e tutores devem lembrar que estar distante não significa a perda dos filhos, e sim uma nova forma de convivência com eles. Por isso, toda relação deve ser cultivada como forma de prevenção a essa síndrome.

Habitualmente, a síndrome do ninho vazio é transitória, ou seja, possui um momento certo para acabar, sendo que sua duração se estende do instante de separação dos filhos até o estabelecimento de uma nova ordem familiar. Contudo, caso a tristeza se prolongue e vier acompanhada por ausência de objetivos, ela pode transformar-se em depressão.

Além disso, existe um fato que agrava ainda mais a situação no caso das 
mulheres já maduras: a menopausa. Esta, por sua vez, faz com que a 
mulher se sinta envelhecida, sem função reprodutora, com autoestima 
rebaixada e sua imagem refletida no espelho não lhe agrada mais, 
resultando em uma mulher emocionalmente abalada.

O que devemos ter em mente é que a saída dos filhos de casa é um 
processo natural. É mais uma etapa de crescimento e evolução, que a 
princípio pode parecer estranho, causando vazio e solidão.

Por isso, devemos aceitar essa nova fase como um recomeço, não só para eles que saem em busca de novos desafios e experiências, mas também para os pais ou tutores, com um novo conceito de vida e de novas perspectivas. A seguir temos algumas dicas para lidar com a partida dos filhos.

Dicas para lidar com a partida dos filhos.

Idoso olhando pela janela.

Entenda a nova fase.

Reconheça que é natural que os filhos saiam de casa para buscar sua própria independência é natural. Neste momento, é importante refletir e aceitar que a fase de mãe protetora passou e perceber que outras possibilidades podem se abrir e a descoberta de novos papéis é essencial. Encare essa nova fase como uma oportunidade de cuidar de você e realizar novas tarefas.

Encerre o ciclo.

Faça um exercício: inspire e segure a respiração. Repare como o “ar antigo” nos sufoca, não deixando novos ciclos de oxigênio acontecerem. A mesma coisa ocorre quando nos apegamos a ciclos que já se encerram e quando temos medo da perda e não conseguimos focar nos ganhos que ela nos traz. Permita-se abrir espaço para o novo.

Mulher feliz.

Tire seus sonhos da gaveta.

Orgulhe-se de ter completado sua missão: você criou seus filhos para serem independes e cumpriu sua tarefa. Agora é o momento de tirar seus sonhos da gaveta. Encontre novos hobbies, pratique exercícios, comece um novo curso e aprenda coisas novas. Reflita honestamente sobre as ações que te dão prazer. Ao longo da vida, as pessoas acabam adiando uma lista de atividades prazerosas por conta da correria diária. Faça uma lista com tudo que deseja realizar e coloque-se no centro da sua vida.

Pense nos lados positivos.

Além de ter mais tempo para você, muitas vezes o relacionamento com os 
filhos melhora quando eles mudam de casa. Aproveite a nova fase para dar 
mais atenção ao seu relacionamento e sair mais à dois.

Se ainda sim você sentir dificuldades para lidar com essa nova fase, 
procure a ajuda de um Psicólogo.

Fontes:

A mente é maravilhosa.

Infoescola.com

Sociedade Brasileira de Inteligencia Emocional

Tags: | | | | | | | | | | | | |

Abrir
Entre em contato e agende uma avaliação inicial presencial ou online, será um prazer recebê-lo(a).

Whatsapp +55 (11) 99735-1268
Powered by